sábado, 9 de junho de 2012

A Viagem Maravilhosa




            Naquela noite Laura deitara-se pensativa. Achava que algo se apoderava dela. Estava inquieta, sem razão.
            Adormeceu num instante.
           Pela madrugada sentiu-se leve como uma pena. Nos lábios desenhou-se-lhe um sorriso de felicidade. Pela janela aberta entrou uma nuvem que se desvaneceu ao aproximar-se de si, transformando-se no anjo mais belo que se possa imaginar. As suas asas eram finas e macias, o cabelo doirado da cor do sol, de pele aveludada e o seu sorriso não tinha algo a que se comparasse.
            Aproximou-se de Laura e disse-lhe num sussurro acariciador:
- O teu desejo de há anos vai ser concretizado!
           Como por encanto, Laura sentiu-se leve como o vento e voava sobre planícies, montes, rios e mares! Tudo olhava extasiada, feliz! Achava-se capaz de mover a Terra, arrastar montanhas e nadar no fundo do oceano. Sentia-se rainha, Rainha do Mundo, do Mundo que estava a seus pés!
            Como por encanto pousou no solo e à sua volta agrupavam-se os mais variados e ressonantes ruídos: aqui, o chilreio de uma ave exótica que a maravilhava com o seu cantar; ali, o estrondo de possante fera, que procurava, talvez, carne para saciar a fome; além o rugido bravio, mas sempre de beleza ímpar, do mar, que batia contra as rochas escarpadas da alta falésia. Laura ergueu a cabeça para o alto e, em contraste com o azul do céu, o verde profundo das várias espécies de árvores, cujos ramos balouçavam ao sabor da aragem fresca e húmida. Caminhou devagar sobre a relva macia onde pululavam os mais variados insectos e pequenos vermes diligentes. Extasiava-se e, os seus olhos, inquietos, perscrutavam tudo. Estava só no Mundo – ela e a Natureza.
            Sentou-se numa pedra junto a uma palmeira e aí se encontrava em completo abandono, quando ao seu lado surgiu o mais temível mas também o mais belo dos animais da selva – o leão – que a olhava insistentemente. Do focinho pendia-lhe fortíssima juba doirada. Caminhou para Laura que estendeu a mão e, sem medo, acariciou o animal. O leão deitou-se ao seu lado e não mais a largou durante a sua travessia naquele paraíso.
            O sol começara a aquecer. Junto à palmeira onde se encontrava Laura descobriu uma jiboia de cores refulgentes que, enrolada, não dava sinal de vida. Tocou-lhe levemente e, ante aquela carícia, ergueu a cabeça mostrando a sua pérfida língua. Subiu a pedra onde Laura se encontrava e, dando uma volta ao seu pescoço, foi enroscar-se ao seu lado.
            Em frente estendia-se um pântano coalhado de vida animal e vegetal. Os nenúfares abrigavam rãs e sapos pesadões cujos coaxares retiniam pela superfície; flores de beleza ímpar tinham nascido naquele lamaçal medonho e as cobras soltavam os seus silvos agudos e desconcertantes.

            Ao longe um enorme vulcão estava prestes a vomitar lava incandescente. A terra tremeu, o céu escureceu e aquela lavareda surgiu ameaçadora. Pela primeira vez Laura contemplava o maravilhoso espectáculo que a Natureza lhe oferecia. A lava roçou a falésia indo desaguar ao mar. Grandiosa batalha se travava entre os animais na luta pela sobrevivência: o choro das hienas, a corrida de mastodontes, os esguichos dos répteis, a vozearia dos pássaros e o barulho ensurdecedor do vulcão. Pouco tempo depois tudo abrandou. Só ouvia de vez em quando os macacos saltarem de ramo em ramo com os seus modos e vozes característicos.       
          Escureceu. A noite chegou e com ela as belezas nocturnas. A lua prateada espreitava lá do alto. As pradarias, os bosques e a praia mostraram toda a sua beleza cintilante. Os pumas, de olhos esbugalhados e brilhantes, sentaram-se ao seu lado e do leão. Sentia-se protegida e embalada pelas ondas do mar que lhe acariciavam os pés.
            Um ruído enorme fê-la estremecer. Olhou o lençol prateado do mar e, ante o seu olhar absorto emergiu da água uma fera sobrenatural. De cabeça pequena em comparação com a grandeza do corpo e a boca crivada de dentes aguçados. A cauda estendia-se a perder de vista e o dorso era alto como uma montanha. Estava em frente de um dinossauro. O monstro olhou-a e Laura compreendeu que ele não lhe faria mal. Subiu pela cauda do animal, que reentrou no mar levando Laura no seu dorso.  Em pouco tempo distinguia apenas as sombras do mundo que deixara para trás. Nos seus cabelos desalinhados espalhavam-se pétalas de anémonas da Era Cretácea. O mar envolvia-a. Olhava em frente sobre a cabeça daquele monstro que a guiava sobre as ondas do mar.
               Laura acordou ofegante.
- Mas…que se passa? Qual o ente maligno que me deixou nesta cama, entre lençóis de linho, num quarto pintado de verde!?
            Como é cruel a desilusão…! Tudo não passara de um sonho…Será que foi um sonho? Laura sorriu.
            Preferia pensar que tudo acontecera realmente.

Sem comentários:

Enviar um comentário